Clássico sem o coração na mão...

23/03/2015 09:57

 

 

 

    Hoje me dei um presente. Depois de assistir a muitos clássicos GreNal, o verdadeiro e único motivo de eu acompanhar futebol, assisti a outro clássico brasileiro: Flamengo x Vasco. Em 2010, tive o prazer de ver no Maracanã, a final da Taça Rio Flamengo x Botafogo. A vitória foi do clube de General Severiano, com gol de pênalti de Loco Abreu, com direito a cavadinha. No gol do Flamengo estava presente o goleiro Bruno. Lembra dele?

    Antes de mais nada, uma constatação: entre os jogadores envolvidos na partida tivemos nove ex- dupla Grenal: Dagoberto, Alecsandro, Rodrigo, Guinazu, Nei, Anderson Pico, Pará, Bressan e Gilberto.

    Sobre os times dá pra dizer com toda tranquilidade que a dupla GreNal não fica a dever pra nenhum deles. Foi um clássico bonito de ver, pois os dois times estiveram em campo com uma só intenção: vencer. Ambos jogaram pra frente.

    O jogo inicia em meio a uma forte chuva, o sistema de drenagem do Maraca não dá vencimento e o óbvio acontece: o gramado vira uma piscina e o juiz interrompe o jogo. Mas, antes disso, Alecsandro se vale de um vacilo do zagueiro Rodrigo – do Vasco – e faz o seu gol. Quem ver o lance verá que o erro foi do zagueiro. 1x0!

    Interrupção de 30 minutos, a drenagem funciona...e voltamos ao jogo.

    No retorno do jogo, o Vasco volta “a mil” pressiona o Flamengo em seu campo e depois de muito insistir, Gilberto empata: 1x1.

    Ao retornarem pro segundo tempo, o Flamengo faz seu segundo e definitivo gol –de novo com Alecsandro – desta vez de pênalti.

    Sobre os ex-jogadores da dupla:

Dagoberto: saiu lesionado em meio a chuva. Não deu tempo de mostrar nada.

Alecsandro: o de sempre. Faz um salceiro, incomoda e sempre tá no lugar certo...sempre faz seus gols.

Rodrigo: ex-jogador. Deu pra ele.

Guinazu: o mesmo de sempre. Uma Itaipu pra acender uma lâmpada. A derrota do Vasco passou por ele. Atabalhoado faz um pênalti que decreta a vitória do Flamengo.

Nei: consegue a façanha de ser banco desse time do Vasco. Anderson Pico: com seu físico de tartaruga ninja só faz correr.

Pará: o Parazinho de sempre.

Bressan: Não comprometeu.

Gilberto: um Alecsandro sem grife, mas também faz seus gols. E só.

    Como é bom ver um clássico sem o coração na mão.

 

Ulisses B. dos Santos

@prof_colorado