Tema a ser discutido...

13/03/2017 14:00

     De coadjuvante a personagem central do espetáculo...

 

    Fiquei algum tempo sem escrever aqui neste espaço, pensei até em parar, não pelo que ocorreu com o Inter em 2016, mesmo depois de muita gente passar o ano todo alertando, inclusive aqui, eu e os amigos que escreveram para o Inter Ação alertamos, mas sim porque há muita gente escrevendo, alguns com conhecimento, outros com paixão,e outros simplesmente por escrever. Entendo que as pessoas podem interpretar mal, e por isto pensei em parar, porém conversando com amigos, estes me incentivaram a seguir, então cá estou para o primeiro Inter Ação de 2017.

    Ontem tivemos Inter x Juventude, jogo em que A.Carlos Zago e o Arbitro, o Senhor Diego Real, foram personagens centrais dos 95 minutos de futebol jogado em campo encharcado no Alfredo Jaconi. Penso que, em uma partida, quem deve protagonizar são sempre os atletas, pois quando alguém além deles o faz, é porque algo diferente ocorreu. Zago foi para Caxias com uma ideia, e talvez tenha exercitado-a em um ou dois treinos. Pela escalação inicial, o comandante colorado colocou Wilian no meio para inverter o lado de atacar, antes, com Carlinhos e Wendel, parecia que o time havia encontrado uma forma ideal de sair de trás e de se tornar perigoso. Só que o treinador não levou em conta alguns fatores, e aqui elenco alguns, a qualidade dos jogadores e o estado anímico de Wilian. Muito embora saiba que o menino tem qualidade e até goste de Alemão, não da pra comparar com a dupla Wendel e Carlinhos. 

    Este foi um dos erros, outro foi escalar Roberson no meio e achar que poderia dar certo. Mas Zago passou o primeiro tempo todo na beirada e não se deu conta disto, veio o intervalo e dai ele começou a piorar o time, ficou claro quando optou por usar Wilian na lateral esquerda, ali, achei uma providência terrível que aos poucos foi se comprovando. O Juventude que havia jogado melhor o primeiro tempo, passou a atacar as costas de Wilian e só não marcou porque faltou competência para Taiberson que atuou por ali. 

    As soluções pareciam distantes, as providências então, nem se fala, o time perdeu Charles, expulso após uma entrada por cima em Pará, (se levasse amarelo, passaria em reclamações) e dai, o único movimento de acerto do treinador, e que até fez com que o Inter reagisse, foi adiantar as linhas e colocar Carlos em lugar de Nico que não vinha bem, depois ainda retirou Brenner e colocou Valdivia, o que também considerei erro, Brenner vem bem, e em jogos com gramado molhado, as faltas ocorrem, e uma bola alçada,  tendo um cabeceador,  pode se tornar uma arma, ainda mais em final de partida.

    O Inter com 10, até equilibrou, mas o Juventude sempre que se jogava ao ataque, levava perigo. Quando as coisas se encaminhavam para um final sem gols, apareceu então a arbitragem. Antes de falar em dois lances que decidiram, quero voltar no primeiro tempo, logo no inicio, onde alguns viram pênalti de Ortiz em Caprini, sinceramente, não houve absolutamente nada além de um choque quadril com quadril.

    O pênalti mal assinalado pelo senhor Diego Real, iniciou fruto de um erro do seu assistente, Roberson que estava no lado esquerdo da defesa do Inter, tentou sair jogando, se atrapalhou e ao chutar a bola pra frente, esta pegou em Diguinho e saiu, mas só o bandeira viu a bola bater em Roberson, marcou escanteio, a bola foi para área, novamente foi colocada para escanteio e dai veio o lance fatídico. 

    Quero me deter aqui somente em um ponto importante, que deveria servir de ensinamento a todos, quando estamos para cometer um erro e somos alertados, e mesmo assim cometemos, é porque há algum propósito ou porque somos realmente teimosos. Não sei em que perfil se encaixa este arbitro, seria leviano acusa-lo, porém, neste lance em específico, ele acabou com uma defesa que sempre é feita a cada erro, a de que "errar é humano", ontem ele teve a oportunidade de acertar e persistiu no erro, o que foi uma pena, tanto para o Inter quanto para ele.

    Para encerrar, gostaria da ajuda de todos, vejam, ultimamente o brasileiro, devido ao que ocorre no nosso país, criou uma cultura de arrumar desculpa para tudo, peço encarecidamente que não comprem e/ou vendam esta ideia, não é porque o Inter não jogou bem que não tem condição de reclamar de arbitragem, não é porque muitos ficaram na dúvida do primeiro lance, onde um pênalti foi reclamado, é que o árbitro tem o direito de assinalar outro que não existiu, não é porque deixei a janela da minha casa encostada, que o ladrão poderá entrar e me roubar, vamos parar com isto. As coisas precisam ser separadas, senão viveremos em eternas desculpas.

    Sobre a entrevista de Roberto Melo, penso que ele indignado que estava, se achou no direito de fazer aquele discurso, não reprovarei, só espero que hoje, além de tomar providências para que Diego Real, literalmente caia na real, Melo junto de Zago e da comissão, avalie os erros cometidos no Jaconi, precisamos de conserto pois há jogo quarta e sábado, e principalmente no gauchão, estamos proibidos de perder ou até empatar. Pode falar Melo, mas é imprescindível que detecte os erros, cobre-os de quem errou para que possamos voltar ao caminho das vitórias.

 

    Tenham todos uma ótima semana e VAMO VAMO INTER!

 

Vilmar Silva

@vilmar100