VOLTAMOS...

17/11/2017 10:11

 

 D'Ale foi o condutor desta VOLTA...

 

    Enfim, acabou o tormento! O Destino quis que o acesso tivesse ocorrido fora, assim como foi a queda. Em uma campanha marcada por altos e baixos, o que para alguém com alguma visão do cenário, era o mais provável, o acesso chegou. Disputar a serie B para um clube grande, é o mesmo que um milionário trocar de vida com um favelado por um determinado período. As dificuldades foram imensas, apesar de voos fretados, bons hotéis, extrutura diferenciada dos demais, o que mais influenciou negativamente, foi a pressão absurda que o clube sofreu desde a queda até a ultima terça-feira, quando com um empate, conseguiu o ponto que faltava.

    No inicio da temporada, a nova diretoria obrigou-se a fazer uma reengenharia, era preciso liberar nomes marcados pela queda, contratar outros, formar uma equipe capaz de suportar a pressão e alcançar o objetivo principal. Houve erro na contratação do primeiro treinador, apesar do perfil desejado ser o de um treinador novo, que conhecesse o ambiente da serie B, que fosse estudioso, com metodos novos, até ai tudo bem, mas faltou a Zago algo importante que é a relação interpessoal, isto ele ainda não tem, e por isto acabou sucumbindo.

    Veio Guto Ferreira, um conhecedor de serie B, um profissional identificado com clube, que havia apresentado bons trabalhos anteriormente, ao menos à distância se via assim. De cara, deu uma arrumada na casa, venceu jogos em sequencia, a confiança voltou, o torcedor que ia para protestar no tempo do técnico anterior, passou a apoiar, tudo parecia caminhar para um fim apoteótico, mas como tudo para os colorados é dificil (nossas conquistas nunca foram de gratis), o treinador perdeu peças, não soube rever a forma de jogar da equipe, deixou jogadores que estavam rendendo pouco entre os titulares, não deu oportunidade para outros que entravam bem nos jogos e seguiam no banco, com isto, acabou perdendo o comando de vestiário, e ficou claro quando em Lucas do Rio Verde, em entrevista disse que “não levava gol porque não entrava em campo”. Erradamante a diretoria tentou mantê-lo, veio o empate em casa, diante de um Beira Rio lotado e novamente tiveram que dispensar mais um treinador. Odair, cara da casa, assumiu, e de cara fez algumas modificações, necessárias e que, foram suficientes para conquistar o ponto que faltava na matemática do ano.

   Apesar de alguns sofrimentos, constrangimentos que passamos em casa, quando por mais de uma vez poderíamos ter comemorado o acesso, há um lado bom neste final mediano, vejamos, serie B não é parâmetro para disputa da A, será preciso reformular e muito o grupo, que seguissem naquela sequencia de vitórias até o fim, ficaria dificil reformular e com isto, em 2018 certamente as dificuldades viriam de cara.

     Então, quis o destino que as 22.20 do dia 14/11/2017, com erros e acertos, acabasse o pesadelo, estamos de volta ao nosso lugar, é preciso deixar de lado as vozes que, nos ultimos 3 anos tentam puxar o clube pra baixo, para reconhecer, para agradecer ao presidente do clube e seus pares, que aceitarem uma missão dificil, ingrata, complicada, aos atletas que compraram a briga, que aceitaram jogar uma competição de visibilidade inferior, mesmo diante de altos e baixos, de pressão, lutaram muito para chegarem ao objetivo, aos treinadores, porque mal ou bem, todos conquistaram pontos que somados, nos deram a condição da volta, aos funcionários do clube que tiveram que ter paciência nos momentos de turbulência, mas principalmente ao torcedor, este, aturou flauta, sofreu calado e não abandonou, amou o clube ainda mais, mostrou que a paixão não tem divisão, não tem estádio, não tem campeonato, a paixão pelo clube leva o torcedor aonde o clube for.

    Agora é pensar pra frente, todos precisam estar juntos, o caminho da reconstrução é longo, e com ajuda de todos, certamente ficará mais fácil alcançarmos o TOPO novamente, o CLUBE DO POVO VOLTOU!!!

 

Vilmar Silva

@vilmar100